comentar
gargolado por westnelson, em 18.09.13 às 18:51 link do gargol | | favorito

esferográfica PSE se a CNE (Comissão Nacional de Eleições) obrigasse os blogs, também, a dar o mesmo tempo de antena, ou seja, o mesmo espaço medido em caracteres a todas as candidaturas às autárquicas?! Eu, por mim, fechava logo o Gargol por nítida falta de tempo, meios e imaginação para com algumas delas.

Na pior das hipóteses, acho até que, nem seria assim tão mau. Acho mesmo que era trabalho que estava feito: No meio de nada para dizer por parte de algumas delas, noutras bastava repetir o que disseram em outras campanhas, havendo ainda as que nem merecem antena, quanto mais caracteres – então agora andam a fazer copy past?! Os cábulas usaram as velhas esferográficas bic laranja e esqueceram-se que o original foi escrito com as novas canetas vermelhas – parece que não, mas fez diferença, ó se fez! Esqueceram-se ainda que, aquilo onde foram copiar é uma pequena amostra do documento original onde as ideias estão mais aprofundadas em quase uma centena de páginas... qual copiazinha barata que se deram ao trabalho de fazer.

Assim, mesmo que obrigado pelo CNE, a ter esse trabalho no Gargol, tudo seria simplificado ao absurdo de apresentar trabalho nenhum a não ser ideias de um documento original onde outros se foram inspirar e mal, porque nem cópias sabem fazer. Vejam bem que, até já aprenderam a dizer “renegociação do contrato com as Águas do Oeste”. Realmente é preciso muito lata!

Se quiserem umas t-shirts vermelhas ou mesmo rosa para as senhoras e umas bandeirinhas, também se arranjam, é só pedir. Canetas vermelhas é que já não devem haver mais! Bonés ainda há vermelhos e pretos. Querem alguns? Tomem lá... apanhem!


comentar
gargolado por westnelson, em 12.09.13 às 11:07 link do gargol | | favorito

Vamos lá directos ao assunto. Este cartaz foi feito para tentar irritar aqui o plantel analista do Imagens de Campanha.

 

 

Com tantas ondinhas no cartaz só pode. E são muitas ondas com várias cores e tonalidades. Mas sejamos justos, se há terra que merece ter ondinhas no cartaz é a Nazaré. E não só as ondas são bem adequadas à terra, como não podia haver apelido mais em conformidade do que o de Walter Chicharro. O melhor do cartaz é o lettering escolhido.

Esta foi a única fotografia de cartaz na Nazaré que nos fizeram chegar. Entretanto fui fazer uma pesquisa para ver o enquadramento eleitoral e a Nazaré é um case study de dedicação e entrega à causa pública, especialmente desde 2005.

 

A Câmara da Nazaré é presidida desde 1993 por Jorge Barroso, um independente eleito pelo PSD, mas que em dois mandatos anteriores tinha sido eleito vereador (o único) pelo PRD. Em 2005 há uma candidatura independente que fica em segundo lugar e elege dois vereadores, uma lista encabeçada por António trindade, que entre 2001 e 2005 foi presidente de Junta da Nazaré. O outro eleito foi António Salvador. Passados 4 anos, em 2009, os dois Antónios voltam a ser candidatos, mas o Trindade na lista do PS e o Salvador na do PSD. E para que isto não fique apenas por aqui e a dedicação é muita, em 2013 voltam a ser candidatos e a presidente. Ora que o Trindade encabeça a lista do GCICN, um movimento independente, e o Salvador surge como candidato do MPT (diz que é por motivos logísticos, não pela recolha de assinaturas, mas por causa do IVA, e por motivos políticos pois identifica-se com os valores ecológicos e de cidadania do MPT), tendo entregue o cartão de militante do PSD (afinal era militante e chegou a ser presidente da secção local), mas não abdicou de ser presidente dos TSD de Leiria.

Para complementar o ramalhete, para além destes dois activistas locais e de Chicharro, o PSD vai a jogo com Miguel Sousinha, a CDU com João Delgado, o Bloco com Joaquim Piló, o CDS com Joel Vitorino e (achavam que isto ficava por aqui?) mais uma candidatura independente, a de Alberto Madaíl pelo movimento Nazaré Viva.

Depois ainda nos admiramos daquelas ondas gigantes da Nazaré. Com este turbilhão, em terra, qualquer um pode ser o McNamara.

 

 

link da publicação original pelo plantel analista do Imagens de Campanha


comentar
gargolado por westnelson, em 12.09.13 às 10:39 link do gargol | | favorito

A dívida gerada pelo actual edil camarário, na última década, gerou um verdadeiro constrangimento ao desenvolvimento do concelho, ao investimento em equipamentos e, acima de tudo, ao dia-a-dia dos cidadãos.
Com cerca de 50 milhões de dívida, e na condição de 4º pior registo nacional, o concelho da Nazaré encontra-se, assumidamente por todos os órgãos autárquicos, em situação de rotura financeira estrutural.
A solução encontrada pelo PSD foi o aumento de impostos e taxas para valores máximos de lei (por um prazo de 20 anos) e redução de um terço da despesa com pessoal.


A questão primordial que deve ser feita é: onde está visível a obra que justifique o dispêndio de tantos milhões?
Este momento é o mais decisivo para as populações do concelho. A Nazaré tem, de uma vez por todas, de cumprir os seus compromissos financeiros e tornar-se "pessoa de bem". Isso é fundamental para a economia local e para a atracção de investimento para os diferentes sectores de actividade.

Uma das muitas propostas que intentamos cumprir, no âmbito de redução de despesa e, consequentemente, da dívida é a renegociação imediata do contrato com a empresa Águas do Oeste, já que, este mesmo contrato fundamenta-se em critérios irreais e que lesam os utentes deste serviço público.


O Partido Socialista tem uma alternativa credível, vocacionado para a eficaz gestão de recursos públicos, com poupanças assinaláveis, e sem molestar a vida dos cidadãos.
Votar PS é votar num Projecto para Todos e não para alguns.
O PS está preparado. E você?
Vote PS.
Porque Querer é Poder!

 

Walter Chicharro - Um projecto para todos


comentar
gargolado por westnelson, em 06.09.13 às 18:48 link do gargol | | favorito


in "Região de Cister", edição 1046, 05/09/2013


Para aumentar, clicar no texto; para seguir para o sítio certo, clicar aqui.


comentar
gargolado por westnelson, em 01.09.13 às 17:40 link do gargol | | favorito

Depois de ouvir o candidato do Movimento PARTIDO da Terra, à Câmara Municipal da Nazaré, apregoar a independência da sua candidatura lembrei-me, de imediato, de um evento que ocorreu no ano transato:


«Na manhã do próximo dia 10 (de setembro de 2012), vai realizar-se no Hotel Praia, na Nazaré, o Conselho Nacional dos TSD (Trabalhadores social democratas), seguindo-se um almoço de homenagem ao anterior secretário geral dos TSD, Arménio Santos. É a primeira vez que a Nazaré recebe uma reunião de um órgão nacional de um partido político, no caso, do Conselho Nacional de uma estrutura de trabalhadores militantes do PSD, da qual António Salvador é o atual presidente do Secretariado Distrital de Leiria, órgão que indica os representantes dos TSD nas 16 secções Políticas (concelhos) do PSD do distrito de Leiria, bem como os 18 delegados dos TSD na Assembleia Distrital do PSD de Leiria.»


Ser "independente" tem destas coisas...

 

Escrito originalmente para o facebook aqui e aqui por Orlando Rodrigues.

Poderá não conseguir abrir, pelo menos, um dos links por ser de um perfil no facebook.


comentar
gargolado por westnelson, em 29.08.13 às 01:25 link do gargol | | favorito

Desde o dia 21 de Agosto que é proibido pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) fazer qualquer tipo de campanha eleitoral através de telefone (p.ex. SMS) ou por e-mail. O que é certo é que quase todos os dias recebemos e-mail's, pelo menos por parte de uma das candidaturas às autárquicas de 29 de Setembro. A esses movimentos não bastaram já terem açambarcado os jornais da região e não largarem o facebook com gostos a tudo e a todos (onde até falsos perfis usam para chegarem onde de outra forma não conseguiam...!), que ainda se sentem no direito de enviar para o nosso mail propaganda eleitoral - que deve ser fornecida, para nossa informação, ou não, mas pelos meios e canais previstos pela lei. Assim, e caso não saibam, está aqui a notícia e está aqui o site e deixem de se armar em Chicos espertos.


comentar
gargolado por westnelson, em 26.08.13 às 18:41 link do gargol | | favorito

O que é ter mais ou menos capacidade para os órgãos de uma freguesia rural como Famalicão? Será uma cultura de letrados, diplomados e outros dados que, para o caso, não importa ou talvez sim, mas não vou por aí; ou uma cultura de valores baseados numa sabedoria rural, muito própria, transmitida de geração em geração que sabia viver ao ritmo das estações do ano, com uma experiência de colaboração colectiva e solidária? Será que esta cultura, este conhecimento não vale mais nada e continua desrespeitada como no tempo de Salazar continuou e, pelos vistos, continua? Quem melhor entende as gentes da terra, as suas necessidades? Quem melhor conhece as associações agrícolas na sua terra? Quem conhece cada esquina, cada árvore, cada fontanário e tantos trilhos percorridos, muitos deles hoje comidos por silvas e caniços, onde uma infinidade de memórias estão depositadas? Quem tem capacidade para entender e poder gerir melhor, em equipa, que, por acaso também é letrada e bebeu desta cultura, e com mais eficácia de actuação? Continuamos na mesma senda do passado? Não aprendemos nada com a história? Ou não se sabe como foi, como era? Se não se sabe como foi, não se pode contribuir para a construção dum futuro melhor se desligado do passado, tal como os fios, se se cortam não temos luz. Os capazes são os PPD/PSD’s que deixaram esta freguesia tão dispersa ao abandono?

 

Este post foi escrito por Rosa Varela originalmente para o facebook.


comentar
gargolado por westnelson, em 24.08.13 às 22:43 link do gargol | | favorito

Se não for desta que a população Nazarena tire a venda dos olhos, não sei quando mais o poderá fazer. Trata-se de uma oportunidade única.
Com tanta miséria feita nos últimos anos pelos executivos do PSD, e com a ajuda dos seus jogos políticos e subterfúgios politiqueiros, ou seja, a politiquice do costume, não sei mesmo se alguma vez mais a população Nazarena vai ter a oportunidade de dar a volta por cima com uma equipa capaz, com vontade e com projectos já no activo para tirar a Nazaré do marasmo económico e social a que está votada pelos caciques do costume.

 




comentar
gargolado por westnelson, em 22.08.13 às 16:29 link do gargol | | favorito

Ó meu Deus, quanta esquizofrenia política. Já se esqueceram daquilo que recentemente fizeram e deram cobro. Não é por se estar contra, agora, ou através de jogos de contorcionismo vertebral, que se branqueou o mal feito anteriormente. Mal seria e curta seria, também, a memória das pessoas.
Quanto a isto, ao que parece, vão todos "All In" mesmo sem jogo, com blufs, e até com entradas tardias em jogo...


comentar
gargolado por westnelson, em 22.08.13 às 14:59 link do gargol | | favorito

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um dos principais papeis de um presidente de Câmara é criar condições para que haja investimento no concelho a que preside, coisa que Walter Chicharro, enquanto candidato a presidente pelo PS à câmara da Nazaré, vem fazendo há meses a esta parte, preparando o terreno para uma política diferente e de prosperidade, coisa que não se viu em tempo algum no actual presidente enquanto tal, nem nos anteriores executivos a que Jorge Barroso tem vindo a presidir deixando este município num estado tal de calamidade que dá dó. O que me faz mais impressão é que, em vez de saírem de fininho, sem dar muito nas vistas, ainda se candidatam a outros cargos. É a isto que eu chamo ter muita lata, ou então há muita coisa ainda por esconder. Eu acredito neste projecto, um projecto para todos, uma oportunidade que se tem de agarrar com as duas mãos. É o tempo das decisões e de ver que de lado está o que realmente interessa.


comentar
gargolado por westnelson, em 16.08.13 às 18:47 link do gargol | | favorito

A verdade é que um dos candidatos à C.M. da Nazaré, que é tudo menos independente, anda a dizer a alguns militantes do PS que se não tiverem as cotas em dia, por serem militantes, não poderão votar PS nas autárquicas de 29 de Setembro ou o voto, se o fizerem, será considerado nulo. Isto é sacanice, jogo sujo e, acima de tudo, desespero.

Para completar o ramalhete, quando pressionado por elementos que o secundam na lista à CMN para assumir publicamente que não vai aceitar pelouros de ninguém, apenas responde que, não pode fazer isso porque precisa do dinheiro! A que pontos chegámos!?

A idiotice vem sempre acompanhada de muita lata!


comentar
gargolado por westnelson, em 10.08.13 às 16:20 link do gargol | | favorito



No império das aves raras
Quem não tem penas é Rei
Entre pegas e araras
Os patos bravos são Lei.



A terra dos patos bravos
Parece mais um vespeiro
Andam todos à bicada
Para chegar ao poleiro.

[Refrão]
Por sobre a terra
Por sobre o mar
O Grande Irmão zela por nós
A sua sombra
É protectora
Já vem dos egrégios avós.



Na terra dos papagaios
Quem não tem poleiro é pato
Andam todos à bicada
Só para ficar no retrato.



No reino das trepadoras
O papagaio é senhor
Mesmo até sem saber ler
Qualquer papagaio é doutor.


[Refrão] 

 

Voar mais alto que os outros
Esse era o sonho do galo
Roubar as asas ao Pégaso
E voar como um cavalo.



Mas o galo de ser galo
É ter o chão junto à barriga
Para chegar ao poleiro
Tem que usar de muita intriga.

 

[Refrão]

No reino dos voadores
Impera a grande anarquia
e a barata voadora
já tem lugar de chefia.



A passarada oprimida
só deseja que isto mude
Mas as aves de rapina
Cada vez têm mais saúde.

 

[Refrão]

As forças em parada desfilam junto à tribuna de honra, que é composta por 50 poleiros onde estão pousados os representantes das principais espécies ornitológicas, democraticamente nomeados pelo Marechal Avejão. Desfilam, neste momento, o Esquadrão Falcão e o Esquadrão Abutre, garantes da Paz, da Ordem, da Segurança e da Liberdade. À sua passagem, o Marechal Avejão ergue-se do seu poleiro e, estendendo a sua asa direita, saúda as tropas em sinal de respeito e gratidão.

comentar
gargolado por westnelson, em 31.07.13 às 04:56 link do gargol | | favorito

Pré-flop:

Tudo se resume a uma mesa de poker “Hold’em” onde as cartas acabaram de ser distribuídas. Neste momento estamos no “pré-flop” e todos os jogadores têm duas “hole cards”. Dois deles, fizeram as “blinds” obrigatórias – a “small blind” e a “big blind”, respectivamente – e esperam, agora, que os restantes façam as suas apostas mediante as suas duas “poket cards”. Contudo, está difícil para um deles e, provavelmente, vai dar “fold” antes mesmo de fazer qualquer aposta, tudo porque a mão é tão fraca que nem sequer vale a pena apostar o que quer que seja, provavelmente nem mesmo um bluf vai arriscar – simplesmente não vale a pena.

 

Ponto da situação: Feitas as contas, as “blinds” obrigatórias mais duas apostas estão no pote, 4 no total, todas partidárias, onde tanto a terceira posição como a quarta deram “call” ao “big blind” obrigatório da segunda posição nesta mão, mostrando alguma fraqueza, pouco jogo de cintura e eventualmente demonstrando quão fracas são as suas mãos, jogando apenas para ver o que vai dar o flop. Até aqui nada de novo, tudo na mesma a fazer lembrar outras mãos em outros tantos embates que deram em nada para aqueles “players”; Os duas seguintes posições fizeram “raise” e “re-raise”, respectivamente, mesmo sem quererem ver as suas duas “poket cards” não sabendo, assim, qual o jogo com que contam em mãos, elevando o pote e consequentemente o valor das apostas para um patamar que tira praticamente o tapete à sétima e última posição na mesa, mesmo estando no botão do Dealer, a melhor posição para apostar mediante a acção dos outros e até poder fazer um big bluff. O problema é que o pote ficou tão alto que o melhor é ir com tudo, o chamado “All-in”... ou dar “fold” e abandonar a mão. Acontece que a sua “stack” neste momento é inferior ao pote entretanto formado e isso é um problema para esse jogador.

 

Análise aos “players” na 5ª (o Hi-Jack neste caso) e na 6ª posição (o Cut-Off nesta mesa de “mind- players”) – A saber: um é obstinado e diz que é independente, mas é mais dependente do que qualquer outro; e, o outro diz, agora, ser da Terra mas anda no mundo da lua, e com um ego tão grande que só pode ter outros hábitos – que, apesar de tentar ocultar, são por demais evidentes – , cultivou, ainda, raízes profundas para se poder segurar sem cair, mesmo fazendo um sem número de acrobacias dorsais, jornalísticas e publicitárias, criticando tudo o que ainda recentemente ajudou a (des)construir.

O tal último “player” sentou-se à mesa do jogo ainda com o cheiro da caldeirada à nazarena de um restaurante qualquer mas, mesmo estando no “botão”, o melhor lugar desta mão, o último a falar e melhor observar os adversários, não tem a sabedoria suficiente para se mostrar com segurança e o saber necessário. O objectivo destes dois “raises” está mais que claro: ninguém faz um “raise” e um “re-Raise” no “pré-flop” sem querer ver as suas duas “poket cards”, isso mesmo, nem sequer as viraram para as poder observar e partem do princípio que têm uma “mão monstruosa” –  obstinação, inconsciência, qualquer coisa à volta disto, ou então é intenção clara fazerem “bluff”; assim como inconsciente é o jogador que, por força do atraso, não lavou a boca nem as mãos e foi para o jogo com um especial “smell” da caldeirada – incomoda um pouco, apenas pelo “smell”, mas não amedronta!

Aguarde pela próxima ronda de apostas desta espectacular mão de “No-Limit Nazaré hold’em autárquicas 2013”. Entretanto ficamos em suspenso para saber se o sétimo jogador vai dar “fold” ao “re-raise” do anterior, o tal das raízes profundas e do ego enorme, se vai dar “call” ou ainda fazer uma “4-bet” ou mesmo um “all-in”, e ver, também, qual vai ser a acção das “blinds”. Não perca o próximo “programa” com a continuação desta espectacular mão para 50 e tal milhões... de fichas em cash!

 

Exercício proposto para esta mão pré-flop: Tente fazer corresponder correctamente as 7 posições na mesa com os players aqui disponiveis: Players 


comentar
gargolado por westnelson, em 17.07.13 às 11:12 link do gargol | | favorito

comentar
gargolado por westnelson, em 05.07.13 às 23:18 link do gargol | | favorito

comentar
gargolado por westnelson, em 26.06.13 às 18:27 link do gargol | | favorito

Depois da decisão do tribunal que sentenciou contra a candidatura de Fernando Seara ao município de Lisboa – não sendo caso único no país, também, não se percebendo o porquê de decisões com resultados tão diferentes para casos tão idênticos – dá a sensação que este marcou golo seguido de uma falta – tal como nos outros casos que, curiosamente e à excepção de um ou dois de uma equipa mais avermelhada, são todos laranjas (ou azuis - querem lá ver que passaram para os centristas e ninguém sabe!) – e, ainda assim, foi validado. Marcou na seara alheia mas não é certo que, apesar deste golo mal validado, Seara e a sua equipa ganhe o jogo; até porque, a outra equipa, por todo o trabalho desenvolvido segue na frente e, sendo melhor, também segue na posição cimeira deste campeonato e só uma catástrofe a faria perder esta partida em particular e o campeonato no geral. (a)

 

A última jornada está marcada para 29 de Setembro nos estádios dos vários municípios e o campeonato está a compor-se. Por cá também... Mas até lá, muito há para jogar – e esta equipa sabe jogar, sabendo que, é preciso disciplina táctica, jogo limpo, clareza nas ideias e nos ideais (1) embora muitos acreditem que, aqui, o campeonato seja de surf (2), e que, mesmo assim, podem fazer jogo sujo e vencer levados por uma onda gigantesca que de boa nada tem, antes pelo contrário. A onda que esses surfam tem a dimensão de uma dívida de mais de 50.000.000,00€ (cinquenta milhões de euros) – creio que, nivelada por baixo, por quem, ainda assim, teve a coragem de aprovar as contas do município em assembleia municipal – pelo menos tendo em conta como se desenvolveu o processo, aliás já testado e confirmado pelo poder instalado por diversas ocasiões –, na ordem dos 43.000.000€uros. Quanto aos outros, apenas esperam para entrar em jogo, mas não sei se terão oportunidade de experimentarem a borracha que não em aquecimento (3) (4) (5). Vamos ver se entretanto aparecem mais candidaturas (in)dependentes!


comentar
gargolado por westnelson, em 25.06.13 às 17:35 link do gargol | | favorito

O que está na base desta onda, muito provavelmente, é, também, a origem deste síndrome...

Bem vindos à Nazaré!


[1] + [2]


comentar
gargolado por westnelson, em 22.06.13 às 17:04 link do gargol | | favorito

Idiossincrasias de um município - O estado natural das coisas que vão acontecendo (de forma normal), num qualquer município onde as contas públicas correm com normalidade e sem grandes problemas.

 

Idiotossincrasias de um município - O estado alterado das coisas que vão acontecendo (de forma anormal), num qualquer município onde as contas públicas dispararam para números na ordem dos muitos milhões de €uros em dívida sem que se tenha feito ou se veja obra ou qualquer outra coisa em prol das populações... a não ser a tentativa de hipotecar o futura dos munícipes com ideias que jamais ocorreriam a quem quisesse o bem público que não o individual ou só o de alguns.

 

Qualquer semelhança coma realidade é pura coincidência! 


comentar
gargolado por westnelson, em 17.06.13 às 15:32 link do gargol | | favorito

E vão dois equívocos ou lá o que queiram chamar a esta falta de honestidade intelectual, para não lhe chamar outra coisa, por parte das hostes da secção nazarena do PSD. Presumo que as inverdades afirmadas por parte daquela força política para com a Concelhia nazarena do PS tenham apenas o intuito eleitoralista de modo a confundirem o eleitorado. É a mais baixa forma de fazer política, aquilo a que normalmente se costuma chamar, entre outras expressões, de politiquice. São acções e tomadas de posição deste tipo que tiram a credibilidade aos "políticos" por parte dos cidadãos de uma maneira geral.

Ter coragem e defender aquilo que pretendem fazer e sempre fizeram ao longo dos vários executivos, especialmente neste último, digamos que, não é apanágio deste insalubre PSD. Antes, já é prática corrente de quem nos governa mesmo na esfera local. Arrasaram com a “economia do concelho” e é o que pretendem continuar a fazer em caso de haver uma doença súbita generalizada de uma população que tem sido achincalhada, gozada e sugado até ao tutano. Numa altura em que a procissão já vai no adro, começa a valer tudo, inclusivamente lavagens cerebrais e até tirar olhos – Tenham medo! – dizem, provavelmente, alguns deles. Quem esteve no poder vinte anos e fez os estragos que fez, e que, caso sejam chamados a (des)governar este concelho, certamente o vão querer continuar a fazer. É esse o compromisso com futuro que nos reserva a candidatura da continuidade, não tenham dúvidas.

 

Histórico da recente esquizofrenia política:


1º Ataque de esquizofrenia política – A água, saneamento básico e recolha de resíduos urbanos


2º Ataque de esquizofrenia política – A problemática do fecho dos CTT em Valado dos Frades.


3º Ataque de esquizofrenia política – [provavelmente já está em congeminação na secção nazarena do PSD – o alvo são os mesmos de sempre – a candidatura às autárquicas por parte da concelhia nazarena do PS. É esta a política pouco credível, para não dizer nada credível do compromisso com futuro].


comentar
gargolado por westnelson, em 17.06.13 às 00:39 link do gargol | | favorito

Antes:

 

 

Fim de tarde no molhe norte do porto de abrigo da Nazaré - 3 de Agosto de 2009, mas foi assim até final de Janeiro de 2013.



Depois:

 

         

 

         

 

E agora, vai ficar assim?

Tal como os recifes artificiais foram colocados no fundo do mar a sul da Nazaré em frente da praia do salgado para dinamizar a reprodução de algumas espécies piscícolas, e que muitos nos querem fazer crer que até está, realmente, a resultar, quando os sonares das embarcações dizem que está tudo areado no fundo - são os pescadores que o afirmam; o velho farolim do molhe norte vai servir para que os percebes da Nazaré se reproduzam numa zona altamente batida pelo mar. Tenho a impressão que vai mesmo ser o melhor percebe da região. Pena as licenças para mariscador serem tão caras!


comentar
gargolado por westnelson, em 15.06.13 às 14:21 link do gargol | | favorito

Mais uma vez a secção nazarena do PSD fez um infame e desmedido ataque ao PS Nazaré usando para isso um comunicado à população. Diga-se que, de comunicado apenas tem o nome, nada mais.

 

A Forma:

Mesmo colocado num qualquer blog que não em montras de cafés e afins do comercio local, não passava de um post bastante medíocre, mal escrito, usando vírgulas e outros sinais tais como pontos de exclamação sem nexo, aplicando um português, no seu todo, característico de uma composição de um fraco aluno do 5º ano.

 

O Conteúdo:

Nota-se logo que, quem escreveu esta espécie de texto mal articulado, apenas teve a intenção do ataque mentiroso ao PS Nazaré de forma, mais uma vez, a confundir as pessoas, neste caso, em especial, os munícipes, ou seja, o eleitorado de Valado dos Frades. Só não compreendo o porquê de não fazer o mesmo contra o partido que com eles faz coligação na Junta de Freguesia do Valado e que votou, bem, tal como o PS, contra a saída dos serviços postais da esfera dos CTT. O único partido que foi sempre coerente com as ideias e tomadas de posição, bem definidas em prol da população em todo este processo, foi o PS Nazaré. O único partido a estar presente ao lado dos populares nos momentos de luta “in loco” foi o PS Nazaré, nenhum outro partido do concelho se interessou pela luta que os munícipes travavam. Tudo, sempre sem o apoio dos autarcas da coligação eleitos para a Junta e do seu presidente.

 

Normalidade Retomada:

Para que a verdade seja reposta e toda a gente fique esclarecida, melhor que ler estas linhas será, com certeza, ler a necessária defesa do PS, tanto pela parte dos autarcas eleitos pelo PS para a assembleia da Junta de Freguesia do Valado dos Frades, como por parte do PS Nazaré. Quanto ao actual presidente da junta de Valado dos Frades eleito pelo PSD e seus camaradas, é – como o tal fraco aluno do 5º ano que poderia ter [mal] escrito o vil ataque – muito fraco. Não tem categoria para ser presidente de junta nenhuma.

COMUNICADO À POPULAÇÃO DE VALADO DOS FRADES by West Nelson


comentar
gargolado por westnelson, em 11.06.13 às 17:06 link do gargol | | favorito

Na semana em que se festeja o Santo António, assinalou-se, também, o dia 10 de Junho: Dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas. Agora, mais do que nunca, faz sentido exaltarmos o dia da nação, numa altura em que estamos a ser esventrados por um desgoverno que, aparentemente, ninguém consegue sanear. Nem sequer quem o poderia fazer usando, de imediato, instrumentos legais e anuentes com a constituição – Tão opressor é o que oprime como aquele que cria condições para o acto acontecer. No dia da unidade nacional o senhor presidente da república fez um discurso bom, aliás, extremamente bom para ser debitado na inauguração do certame da Ovibeja. Enquanto isso, vamos assistindo ao occídio de uma nação por um homem... e seus comparsas. Pode um homem sozinho rebentar com a nação mais antiga da Europa, pode?

A nação Portuguesa é a única neste continente a comemorar o seu dia nacional através da cultura – quando nem sequer existe um ministério que a tutele, sendo, deste modo, atirada para a gaveta de uma secretária no canto mais paupérrimo e sombrio de um qualquer gabinete – enquanto todos os outros países o fazem tendo como pano de fundo datas históricas de grandes batalhas e independências. Se calhar estava na altura de nos amotinarmos de outra forma, de deixarmos de ser um país de costumes e gente tão branda. Não, não o desejo, mas, se isso for preciso, acho que os portugueses estão prontos para a luta. Afinal, ensinaram-nos num serviço militar, em tempos obrigatório, que, devemos defender a nossa bandeira, a pátria e a constituição da república Portuguesa, enfim, os portugueses, seja contra quem for e, neste momento, o inimigo está identificado, e, ainda por cima não tem respeitado a constituição – são o nosso pior pesadelo. Se as suas acções não nos fizessem sofrer na pele e não provocassem uma cruenta dor, até se podia dizer que, este governo, era tal e qual uma trupe ambulante desajeitada e do mais rasca que há, saída de um qualquer canto, para nos divertir – com macaquinhos amestrados e tudo.

Ainda assim, vale a pena celebrar a nação e a sua história como modo de nos enchermos de energia positiva para levar o barco a bom rumo. E, a rota que nos espera está traçada, agora mais que nunca, é a de recuperar este exânime país, mas primeiro temos de sanear a seita da desgovernação. Julgam-se os salvadores da pátria, quando na realidade são os algozes da pátria e de tudo o que a ela diz respeito: A vida condigna das pessoas, o estado social, o serviço nacional de saúde, a educação, a cultura, o trabalho, as empresas... a economia no seu todo. Como é possível a burrice poder ir tão longe.

Nós merecemos melhores timoneiros. Merecemos, também, um melhor skipper. E, já agora, não se esqueçam de pedir um desejo ao Santo António, nem que seja para fazer bom tempo, embora esse seja das competências de S. Pedro, é que a causa de todo o mal pode ser das condições meteorológicas!


comentar
gargolado por westnelson, em 29.05.13 às 19:56 link do gargol | | favorito

 

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.


comentar
gargolado por westnelson, em 27.05.13 às 18:20 link do gargol | | favorito

Não se pode pegar num comunicado como se fosse um saco e colocar lá dentro tudo o que mexe – afinal se ninguém se mexesse numa altura em que faltam 4 meses para as eleições autárquicas, era porque não havia quem quisesse pegar nisto, não havia gente com coragem, predisposta a tentar mudar o rumo que até aqui vai enviesado por mares rabiosos. Se é verdade muito do que lá se escreve, também é verdade que, muito do que lá está escrito não corresponde a uma verdade analisada na perspectiva da seriedade e à luz daquilo que tem sido feito (numa primeira fase) e que, até aqui, nem sequer o poder instalado tem tido coragem ou foi capaz de fazer e que aponta nitidamente para aquilo que poderá ser, com toda a certeza, uma política de serviço público virado para o munícipe com a criação de condições para todos poderem ter um emprego, e, ainda, a reparação do mal que foi feito nas últimas duas décadas. O Município além da avultada dívida, uma onda superior a 50.000.000,00 de €uros (cinquenta milhões de euros), paga a mais de 1400 dias aos fornecedores e é a quarta pior economia municipal do país – uma deprimente classificação. Vai demorar tempo? Vai com certeza – não há políticas e soluções milagrosas – mas vai ser feito o que tem de ser feito para levantar de novo o nome desta terra que merece de todos nós um empenho mais afincado na perspectiva da comunidade no seu todo com “UM PROJECTO PARA TODOS”, e não na perspectiva daquilo que tem vindo a ser feito ao longo dos anos – a perspectiva do bem individual de alguns –, aquilo que poderíamos chamar de “um projecto só para alguns!”.

 

Já agora, podíamos pegar na frase final do comunicado da ADN – “Para quando uma onda gigante que varra este estado de coisas?” – que tem lógica numa perspectiva diferente, para lá colocarmos, também, "os frustrados" e pseudo-intelectuais que nada têm feito em prol da Nazaré além de atirar comunicados para a rua sem que algo de útil tivessem produzido. Fazem-me lembrar os caçadores no meio da selva que no breu da noite, por não terem encontrado em tempo útil o caminho que pretendiam, com medo de serem atacados pelo bicho papão, disparam em todas as direcções sem olhar a quem, mesmo contra aqueles que de forma séria tentam salvar toda uma comunidade do estado caótico em que hoje se encontra esta selva terra. Afinal, agem como todos os outros que até aqui têm olhado apenas o seu umbigo, mas, com uma diferença, estes, ao contrário dos outros, vão magros e ainda conseguem ver os pés quando olham para baixo!


comentar
gargolado por westnelson, em 24.05.13 às 23:28 link do gargol | | favorito

Estás grande, olha como cresceste. Sim eu sei que adquires várias formas físicas e até outras, mas, ainda assim, vês como estás grande?! Pena, não conseguiste foi adquirir uma forma de modo a desapareceres completamente. Muitos já o julgam impossível. Há até quem diga que és maior do que aquilo que demonstras ser, sua safada. Segundo dizem por aí, vais de boa saúde, mas eu não acho nada disso. Ainda te lembras quando o Benfica foi campeão da última vez? Lembras-te? Dessa vez levaram-te no bolso, aliás, até no sapato podias ir. Já estavas grande, grande de mais, mas com as dimensões físicas que adquiriste nesse dia, como em tantos outros – com 8,5x5,4x0,1 – até na palma da mão cabias! Lembras-te que à tua conta comeram e beberam no estádio Luz para comemorarem o feito dos “encarnados” já sob a batuta do JJ? Aquilo é que foi cá uma festa. Lembras-te, também pagaste as portagens e o combustível para a deslocação à capital? E, lembras-te com certeza que adquiriste a forma de viatura automóvel – aliás, dessa forma já nem há conto possível, tantas foram as vezes que o fizeste – para levar o pessoal ao estádio? Disso lembras-te, não lembras? Parece-me que estás uma senhora bem fornecida com a particularidade de poderes adquirir a forma pretendida de maneira a satisfazer as necessidades dos utilizadores que de ti se vão aproveitando. Não consideras esse uso, e abuso, uma violação, uma perversão ao mais alto nível? Devias considerar. Agora não estarias tão grande e tão deformada. Mas olha, lembras-te, ainda, quando na tal forma – com 8,5 por 5,4 e ‘fina como uma grossa cartolina’ – foste apanhada numa estação de serviço a pagar a conta do “pitrol pó carrinhe partiquelar” de familiares de alguns dos teus abusadores. Aliás, todos eles são colaboradores! O caderno quadriculado de capas vermelhas sabe de tudo, tudo, até os nomes deles, só não apresentas queixa porque não queres. Lá chegará o tempo em que tudo prescreve mas lembra-te que tudo se virá a saber. Não tenhas pena deles, são mesmo uns abusadores. Muito mais que isto foi registado, de forma a perdurar nos tempos, nas minhas folhas quadriculadas de capas vermelhas. Estive muito tempo algures numa gaveta bem fechada à chave de uma secretária na casa amarela da rua d’Avenida. Agora, porque já me levaram dentro de uma mala – estava escuro e não deu para perceber onde estava ao certo –, estou muito bem guardado numa qualquer gaveta de uma “moradiazita” algures na “Praia, Síte ou Padarnera... ou arredores, quem sabe!?

 

 

Alguém teve esse trabalho à medida que ia sabendo dos abusos que tu sofrias. Escreveu-me, rasurou-me todo, por vezes chego a pensar que, também eu, fui abusado! Ainda assim, sabe-se que muito escapou. Tenho a certeza disso. Era impossível saber-se de tudo, mas, o que se sabe, é o suficiente para se saber quem eram os maiores prevaricadores e teus abusadores. A lista está feita, mas não fechada... Muitas dessas conversas em que tudo se ficava a saber decorriam através daquelas coisas a que alguém chamou um dia ‘Macacos Pretos’, daqueles de trazer no bolso, sabes? Contudo, esses macacos já eram parte de uma das violações que tu vinhas sofrendo. Serviram para te engrossar. Até o seu próprio alimento, incluindo essas bagas a que chamam “dar com a língua nos dentes” te fazia azia, mas uma azia tão grande que lá acabaram por decidir abatê-los na tentativa desesperada de acabar com algum excesso de população e de alimento compulsivo... coisa quase impossível por estas alturas de desnorte total. Agora restam muito menos desses macacos que chegaram a formar uma comunidade tão grande que, por muito tempo, andou num crescimento descontrolado. Agora, tão grande e deformada, a inércia deu cabo de ti. Já não pode ser de outra maneira. Há demasiados vícios que te fizeram assim e, para piorar, nunca te quiseram levar ao médico e fazer uma análise séria. Nunca foi equacionado o problema de frente. Agora és tu quem está completamente descontrolada – Minha Querida Dívida Municipal!

 

Despeço-me com elevada estima e consideração,

Beijinhos e abraços.

 

Ass:

Pequeno ‘Moleskine quadriculado de Capas Vermelhas’





Copyright Gargol 2013 | linhas mestras | gargol@sapo.pt

eXTReMe Tracker






Linhas mestras

gargol@sapo.pt
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

28
29
30
31


pesquisar no Gargol
 
subscrever feeds
.
gargoladas antigas