comentar
gargolado por Jose Monteiro, em 19.04.10 às 04:00 link do gargol | | favorito

Pela liberdade que dá. Evito incorrer em pirataria, e tenho à minha disposição todas as ferramentas que necessito, pessoal ou profissionalmente.

 

Tudo isto com uma licença livre. Não forçosamente 0€, mas livre.

 

Sob o jugo de sistemas operativos comerciais, não seria possível tirar partido do poder computacional das minhas máquinas. Como exemplo veja-se só o custo em tempo a explorar uma ferramenta por esta ter sido um investimento pesado, sem possibilidade de explorar outras ferramentas que até poderiam ser melhores para a tarefa necessária.

 

No mundo do software livre, a variedade de sistemas operativos é virtualmente infinita. Recordo com prazer alguns dos que já utilizei, não apenas linux:

 

As distribuições linux redhat[1], fedora[2] e debian[3].

 

O opensolaris[4].

 

Os sistemas bsd, particularmente freebsd[5] e netbsd[6]. Deste ultimo recordo um didactico encontro em que me salvou numa maquina vax/vms[7] que ainda estava em produção. Grande aventura!

 

Actualmente uso ubuntu[8], quer em desktop quer em server. O ubuntu é uma distribuição de linux[9].

 

O Linux é muito bom e é livre.

 

Ora vamos lêr de novo, ..."bom e livre"?


Parece paradoxal, o que traz o desafio de passar a mensagem. Vamos a isso!

 

O Linux é estável, confiável e poderoso. Logo recém instalado, oferece um ambiente completo de desenvolvimento.

 

É o standard de facto da investigação em redes. Seja qual fôr o interface de rede do momento, o conhecimento e ampliação das suas capacidades nasce em ambiente linux.


É fácil perceber que tanta academia traz actualizações diárias. Hà pouco tempo troquei de maquina de secretária e naturalmente mudei apenas o disco da maquina antiga para a nova. Sabia que o meu ubuntu beta2 lucid lynx arrancaria à primeira no novo hardware.

 

Ambiente gráfico completo e rápido. Emulação e virtualização nativas.

 

Enough said.


O que me traz ao motivo inicial deste artigo: o contador de chegada da proxima versão do Ubuntu, a Lucid Lynx.

 

Ei-lo!

 

 

[1] - www.redhat.com/

[2] - fedoraproject.org/

[3] - www.debian.org/

[4] - www.opensolaris.com/

[5] - www.freebsd.org/

[6] - www.netbsd.org/

[7] - en.wikipedia.org/wiki/VAX/VMS

[8] - www.ubuntu.com/

[9] - pt.wikipedia.org/wiki/Linux


Nelson Brilhante a 19 de Abril de 2010 às 16:58
Sim de facto é um OS muito poderoso e estável... já tive inclusivé a oportunidade de testar o beta 1 do lucid e está estrondoso em versão beta (imagino a versao final)....
O único inconveniente que aponto ao facto de não adoptar linux como a minha plataforma de trabalho é porque teria que aprender novas ferramentas e, considerando a curva de aprendizagem iria perder muito tempo e dinheiro, sempre na incerteza que o novo software livre faria o mesmo trabalho, ou pelo menos com a qualidade dos que estuo habituado.


De qualquer forma, é um sistema que está em crescendo... há cada vez mais suporte de drivers nativos e isso é a prova de que o linux, pode vir a ser um OS muito completo. Mas lá está, no meu contexto ainda não se justifica.


Cumprimentos JM,
Nelson Brilhante

Jose Monteiro a 20 de Abril de 2010 às 01:25
Os grilhões do habito... 


Não estou ciente das tuas necessidades, pelo que não posso sugerir alternativas. Agora o que posso é sugerir-te que onde te fôr possivel, plano pessoal e de comunicação por exemplo, não cedas ao comercial. É que não ha mesmo necessidade. O arcaico argumento da user-friendliness ou falta dela que antes tanto assustava no linux, já não é um problema.


Linux vem nos magalhães e os miúdos adoram!




Copyright Gargol 2013 | linhas mestras | gargol@sapo.pt

eXTReMe Tracker






Linhas mestras

gargol@sapo.pt
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

26
27
30


pesquisar no Gargol
 
.
gargoladas antigas